Arquivo da Categoria: Uncategorized

Dia Global do Decrescimento – Núcleo de Lisboa: caminhada na Serra de Carnaxide | Fotos & Impressões

A celebração do Dia Global do Decrescimento pelo núcleo de Lisboa da Rede para o Decrescimento (Rede DC) consistiu numa caminhada na Serra de Carnaxide (concelho de Oeiras, zona metropolitana de Lisboa), organizada em colaboração com o Movimento Preservar a Serra de Carnaxide (MPSC) e com o apoio do Centro Comunitário de Linda-a-Velha (CCLAV). A caminhada juntou cerca de 35 pessoas (dos 8 aos 80 anos), em dois grupos, que fizeram um percurso de duas horas pela encosta sul daquela Serra, do lado de Carnaxide, através do qual foi possível apreciar as diferentes qualidades daquele território: paisagística, natural (botânica) e patrimonial. Para um dos grupos, o percurso iniciou-se na zona urbana do núcleo antigo de Carnaxide, acompanhando o trajecto do ramal do aqueduto de Carnaxide (subterrâneo), visível apenas pelos respiradores/clarabóias em pedra que pontuam aquele trajecto. O percurso abandonou depois a zona urbana, subindo a encosta pela Rua da Mina Grande até perto da Mãe d’Água. A partir daí o trajecto coincidiu com o do segundo grupo, que iniciou a caminhada neste local. O percurso fez-se por uma zona florestada (bosque misto com pinheiros, freixos, lódãos, casuarinas, sobreiros, etc.), atravessando de seguida uma zona de eucaliptal e subindo depois a encosta através de uma zona extensa de mata mediterrânica (carrasco, sanguinho, zambujeiro, pereira-brava, madressilva, etc., além de várias herbáceas em flor, como o hipericão, o cardo-dourado e várias cistáceas, como a roselha e a estevinha). Neste troço foi possível admirar as vistas para sul: vale do Jamor, Linda-a-Velha, Carnaxide, Monsanto e margem sul, com a serra da Arrábida e o cabo Espichel no horizonte. Depois de atravessar uma zona de mato mais denso, chegámos ao topo da serra atravessando a linha de demarcação entre os concelhos de Oeiras e da Amadora, e entrando em pleno estaleiro do empreendimento imobiliário SkyCity. Por entre os blocos de apartamentos inacabados, os guindastes, as pilhas de materiais e escombros das obras, pudemos avistar a serra de Sintra a oeste e as colinas densamente urbanizadas do concelho da Amadora a Norte. Abandonámos aquele desastre urbanístico em curso (cujo lema se podia ler num cartaz afixado no local: “União perfeita para viver e investir”) para voltar à zona de mato mediterrânico que ainda resta, iniciando a descida da encosta de novo para sul em direcção aos respiradores do aqueduto que estão plena serra. Voltámos a entrar em zona florestada onde se encontram alguns belos exemplares de carvalho-cerquinho. Atravessámos no final um pequeno prado e descansámos à sombra de um pinhal manso jovem onde houve intervenções dos co-organizadores (Rede DC, MPSC) e partilhas dos caminhantes e representantes de outros colectivos (CCLAV e Fábrica das Alternativas), a que seguiu um piquenique com um número mais reduzido de participantes.
A caminhada permitiu tomar conhecimento directo com as diferentes realidades de um território que inclui um vasto espaço público, parcialmente florestado e natural (vegetação espontânea), de interessantes qualidades botânicas e paisagísticas, mas que se encontra ameaçado por diversos projectos urbanísticos, projectados (concelho de Oeiras) ou já em curso (concelho da Amadora), o que se deve em parte ao facto da Serra de Carnaxide não beneficiar de estatuto de protecção. Por outro lado, aqueles projectos são oriundos de uma visão urbanística ligada a interesses económicos e imobiliários, que não têm conta a salvaguarda de um espaço de natureza de inegável qualidade e que merece ser conhecido, usufruído, valorizado e preservado pelos habitantes da área metropolitana de Lisboa.
(+ fotos aquiaqui)

Dia Global do Decrescimento: “Uma vida boa para todos”

Celebra-se no próximo dia 6 de Junho o Dia Global do Decrescimento sob o lema “Uma vida boa para todos”.
Os dois núcleos da Rede, Lisboa e Porto, irão realizar actividades locais nesse dia, cuja informação podes consultar aqui no site, nesta mesma agenda de actividades e eventos.
Caso não possas participar nas nossas actividades, podes ainda consultar o mapa internacional dos eventos comemorativos previstos para esse dia. Alguns destes são online e abertos à participação à distância.
Votos de um bom Dia do Decrescimento para todos!

Dia Global do Decrescimento – Núcleo do Porto da Rede DC: Caminhada decrescentista à beira-rio pela manhã e visionamento de filme ao final da tarde

No Dia Global do Decrescimento, o núcleo do Porto da Rede DC vai realizar, pela manhã, uma caminhada-passeio desde a Ponte de D. Luís até à Ponte do Freixo, passando pela zona do Areinho, aproveitando os passadiços da marginal de Gaia, ao longo da margem sul do Douro.  Ao fim da tarde, haverá visionamento no Gato Vadio do filme O Planeta dos Humanos (versão legendada em PT), seguido da sua discussão. 
Convidamos quem queira juntar-se a nós nestas iniciativas pelo Decrescimento. 
.Ponto de encontro Caminhada: 11h da manhã, em frente às caves Burmester, ponte D. Luís do lado de Gaia, tabuleiro de baixo. Não te esqueças da máscara, convém trazer água e indumentária adequada.
.Ponto de encontro Filme: 18h30, no Gato Vadio, Rua da Maternidade, 124. Número limitado de participantes. Uso de máscara requerido. 
Para alguma questão, poderás contactar-nos para o endereço de email abaixo ou utilizar o espaço de discussão na página facebook do evento.
nucleo.porto@decrescimento.pt
Podes ver a nossa actividade no mapa internacional dos eventos comemorativos previstos para o dia.

Dia Global do Decrescimento – Núcleo de Lisboa da Rede DC: Caminhada na Serra de Carnaxide

O Núcleo de Lisboa da Rede para o Decrescimento (Rede DC) em colaboração com o Movimento Preservar a Serra de Carnaxide (MPSC) propõem uma caminhada na Serra de Carnaxide, a ter lugar na manhã do próximo dia 6 de Junho (Dia Global do Decrescimento).
Este evento conta com o apoio do Centro Comunitário de Linda-a-Velha
A caminhada poderá ser realizada individualmente, em família, ou em grupo.
Qualquer opção terá em conta as restrições devidas à pandemia da Covid-19 e estão planeadas partidas separadas de modo a manter o distanciamento.
A participação é sujeita a inscrição prévia até 5ªf. dia 4 Jun (incl.), indicando o percurso escolhido/ponto de partida (ver abaixo) para se poder organizar atempadamente os caminhantes e deve ser feita para o seguinte endereço: nucleo.lisboa@decrescimento.pt
Esta caminhada tem como objectivos:
– proporcionar o contacto directo com o património natural da Serra de Carnaxide, que importa defender e preservar porque está ameaçado por projectos imobiliários e urbanísticos norteados por interesses económicos que não têm em conta os valores paisagísticos e naturais do território;
– divulgar a Petição Preservar a Serra de Carnaxide do movimento proponente (MPSC).
Proposta de programa: (Optar por percurso 1 ou 2)
Percurso 1 (cerca de 3 km; 2h, grau de dificuldade moderado):
Dois pontos de partida
Ponto de partida 1 – Junto à Igreja de São Romão / Carnaxide                       9:45 Ponto de encontro                      10:00 e 10:15 Saída dos grupos para o percurso longo que vai até ao topo da Serra (junto ao empreendimento Sky City);
Ponto de partida 2 – Junto à Mãe de Água                       10:30 e 10:45 Início do percurso a partir do local 1 (bosque com pinheiros e freixos) junto à Rua da Mina Grande e que subirá a                                encosta até ao topo, passando pelo empreendimento Sky City, descendo depois em direcção aos respiradores do aqueduto e                                  regressando ao local 1 (ca. das 12h/12h15).
Percurso 2 (cerca de 1,5 km; 1h, grau de dificuldade baixo):
Junto à Mãe de Água                      11:00 e 11:15 Início do percurso a partir do local 1 (bosque com pinheiros e freixos) em direcção aos respiradores do aqueduto,                                 subida da encosta e regressando pela Rua da Mina Grande até ao  local 1 (ca. das 12h/12h15)
Percurso 1 + percurso 2 – final opcional em espaço aberto:                     12:30 Curtas intervenções dos organizadores e partilhas dos caminhantes
                     13:00 Piquenique no mesmo local (opcional)
Trazer chapéu, calçado confortável para caminhada, água e snack, e alimentos/bebida para o piquenique, caso pretenda almoçar no local.
Evento no site internacional do Decrescimento

Ciclo de webinários da MANIFesta 2020 – “Construir Comunidades Justas e Sustentáveis”

A Rede DC faz parte do conjunto de entidades promotoras e organizadoras da MANIFesta (Assembleia, Feira e Festa do Desenvolvimento Local, promovida pela Animar) cujo lema desta edição é “Construir Comunidades Justas e Sustentáveis“, evento que deveria ter lugar em Outubro próximo na Covilhã, mas que foi adiado para a Primavera de 2021, em datas a decidir.
Este grupo decidiu iniciar desde já as actividades da ManiFesta promovendo uma série de webinars sobre os quatro eixos da ManiFesta: território, igualdade, ecologia e democracia.
Manifesta_1.º comunicado_Mai2020
O 1.º webinário terá lugar no próximo dia 20 de maio pelas 10h00 com uma sessão dedicada ao tema “Sistemas Alimentares Locais”.
A participação é livre mas requer inscrição aqui.
Para mais informações sobre a sessão, consultar: PDF Webinario MANIFesta 20Mai_Sistemas Alimentares Locais  facebook da Animar evento no facebook

Conversas Decrescentistas #2. Fluxos: o filme acelerado de tudo

Sábado, 29 Fevereiro, 17.00h
Espaço MACARÉU – Rua João das Regras, 151, Porto (à Praça da República)Evento no Facebook
Houve um tempo em que o cinema mudo nos deixava assistir sentados à aceleração da vida moderna: via-se o actor burlesco ser esmagado pelos carros ou cair dos arranha-céus, sem nunca morrer ou ficar incapacitado. E tudo nos parecia ainda humano e aceitável desde que ficasse nas imagens. Mas essa fúria não ficou guardada no celulóide: as imagens aceleradas desse cinema eram apenas uma pálida antevisão dos fluxos nas nossas vidas. «Fluxo» é agora uma palavra que parece suavizar a incompreensão e o choque nas nossas existências. Hoje, somos o empregado que corre em competição com o processador, o passageiro que voa por tudo e por nada, o funcionário de armazém soterrado pela circulação de mercadorias da Amazon ou da nova Rota da Seda. E por nós passam estímulos de todo o tipo, somos atravessados por frequências electromagnéticas carregadas de nada, corremos mais e mais depressa por dentro das imagens. E o dinheiro, esse, fulmina-nos com a sua capacidade de tudo substituir ainda mais velozmente. No sábado, 29, vamos falar do filme real em que nos colocaram, dizendo-nos não haver maneira dele sair. Numa perspetiva decrescentista, urge contrariar a exacerbação do movimento de coisas e pessoas. Nesta sessão, conversaremos sobre novas e antigas ideias relativas à reaproximação do trabalho ao espaço de habitação, a reaproximação do tempo psicobiológico ao tempo social, a convivência entre actividades primárias, como a agricultura, e actividades secundárias, ditas de transformação. Falaremos ainda da necessidade de romper o circuito da mundialização do comércio e das suas implicações.