Conversas Decrescentistas #2. Fluxos: o filme acelerado de tudo

Sábado, 29 Fevereiro, 17.00h
Espaço MACARÉU – Rua João das Regras, 151, Porto (à Praça da República)Evento no Facebook
Houve um tempo em que o cinema mudo nos deixava assistir sentados à aceleração da vida moderna: via-se o actor burlesco ser esmagado pelos carros ou cair dos arranha-céus, sem nunca morrer ou ficar incapacitado. E tudo nos parecia ainda humano e aceitável desde que ficasse nas imagens. Mas essa fúria não ficou guardada no celulóide: as imagens aceleradas desse cinema eram apenas uma pálida antevisão dos fluxos nas nossas vidas. «Fluxo» é agora uma palavra que parece suavizar a incompreensão e o choque nas nossas existências. Hoje, somos o empregado que corre em competição com o processador, o passageiro que voa por tudo e por nada, o funcionário de armazém soterrado pela circulação de mercadorias da Amazon ou da nova Rota da Seda. E por nós passam estímulos de todo o tipo, somos atravessados por frequências electromagnéticas carregadas de nada, corremos mais e mais depressa por dentro das imagens. E o dinheiro, esse, fulmina-nos com a sua capacidade de tudo substituir ainda mais velozmente. No sábado, 29, vamos falar do filme real em que nos colocaram, dizendo-nos não haver maneira dele sair. Numa perspetiva decrescentista, urge contrariar a exacerbação do movimento de coisas e pessoas. Nesta sessão, conversaremos sobre novas e antigas ideias relativas à reaproximação do trabalho ao espaço de habitação, a reaproximação do tempo psicobiológico ao tempo social, a convivência entre actividades primárias, como a agricultura, e actividades secundárias, ditas de transformação. Falaremos ainda da necessidade de romper o circuito da mundialização do comércio e das suas implicações.